Mensagem de saudação do Ministro Federal das Relações Externas, Sigmar Gabriel, para uso nas representações diplomáticas e consulares alemãs, por ocasião do Dia da Unidade Alemã, em 3 de outubro de 2017

Außenminister Sigmar Gabriel Ampliar imagem (© Auswärtiges Amt) Passaram quase três décadas desde que celebrámos a reunificação da Alemanha e a superação da divisão da Europa em Leste e Oeste, superação essa cuja memória se mantém viva ainda hoje em pessoas do mundo inteiro. É com gratidão que olhamos para trás, para essa oportunidade histórica e para os políticos que, na altura, lançaram os fundamentos para a reunificação: Willy Brandt e Helmut Kohl, que este ano faleceu.

A reunificação foi precedida pelos anos da “política de desanuviamento” lançada por Willy Brandt, chanceler federal da altura, o que, apesar das diferenças entre os sistemas em confronto, permitiu levar a cabo uma mudança através da aproximação. O empenho da Alemanha em prol da integração europeia, a reconciliação com os países vizinhos e a rejeição das pretensões nacionalistas criaram o enquadramento para que a Unidade Alemã se pudesse tornar uma realidade.

Depois da reunificação da Alemanha e da vaga de democratização e da disseminação do princípio do primado do direito a que, na altura, se assistiu em muitos países do mundo, encontramo-nos hoje numa fase em que os conflitos de interesse voltam a irromper com mais força. Os desafios globais têm vindo a crescer ao longo dos últimos anos. Os conflitos geopolíticos, o terrorismo, os movimentos migratórios e de fuga, a pobreza e a fome, assim como o avançar das mudanças climáticas e das epidemias colocam as sociedades em todo o mundo perante enormes tarefas.

Continuamos à procura daquilo que Willy Brandt apelidava de “política interna à escala mundial”, que seja marcada pela justiça global, pela força da lei e pela superação das fronteiras nacionais. A comunidade global tem vindo a realizar importantes avanços ao longo das últimas décadas; para a comunidade internacional, a Agenda 2030 constituiu ao mesmo tempo um marco, uma missão e uma promessa. Apenas em conjunto e numa relação de igual para igual seremos capazes de fazer face aos desafios globais como, por exemplo, as mudanças climáticas e as suas consequências dramáticas, como inundações e secas. Também a pacificação de conflitos e de crises regionais constitui uma tarefa global; a estabilidade e o desenvolvimento criam perspetivas de futuro.

Nenhum país do mundo é, por si só, capaz de resolver os problemas internacionais que enfrentamos. Todos esses problemas não se combatem com isolamento, mas apenas com parceiros fortes. Face à sua própria história e às suas experiências com a superação de ditaduras e com a construção e o fortalecimento do Estado de Direito democrático, o nosso país está disposto a enfrentar esses desafios. A Alemanha está pronta para assumir responsabilidade no plano internacional. Por esta razão, a Alemanha avançou com a candidatura a um dos assentos não-permanentes no Conselho de Segurança das Nações Unidas para o período de 2019/2020. Vivemos hoje tempos de grandes desafios, cuja superação será decisiva para o futuro da humanidade e do nosso planeta. Ao mesmo tempo, vivemos num mundo de múltiplas oportunidades novas que devemos aproveitar de forma empenhada. O Dia da Unidade Alemã é uma boa oportunidade para recordá-lo.

Mensagem de saudação do Ministro Federal das Relações Externas, Sigmar Gabriel, para uso nas representações diplomáticas e consulares alemãs, por ocasião do Dia da Unidade Alemã, em 3 de outubro de 2017

Feier zur deutschen Wiedervereinigung